A moral muda, ética não.

Logo no início do surgimento de celular, quando alguém lhe dava o número era sinônimo de intimidade e as pessoas ligavam para o seu celular em casos emergenciais, preocupando-se em não incomodar. Sentiam-se mais a vontade em ligar na casa da pessoa (havia a ideia de informalidade).

Hoje é o contrário. O telefone residencial é sinônimo de intimidade e o uso de celular se tornou indiscriminado. Você, hoje, pensa primeiro em ligar para a casa das pessoas, ou liga direto no celular? Reflita.

Façamos um paralelo com esta mudança de hábito entre o que é moral e ética.

A moral são normas de conduta que ditam o que é correto a seguir. Ética permeia a moral no que concerne ao respeito ao ser humano e é atemporal, não se sujeita a normas, vai muito além delas. A moral está a serviço da ética, e não o contrário. Uma moral desvinculada da ética é tiranismo.

Em nosso exemplo do celular, a ética permanece presente quando respeitamos o momento em que a pessoa está em sua casa (ligar na casa das pessoas hoje tem a ideia de emergência ou invasão) e a conduta moral foi transferida para o uso do celular (o “correto” a seguir).

O que permaneceu foi a ética, a moral mudou, pois o objetivo da última é ordenar os costumes atuais.

Reflita em que outras situações essa mudança ocorreu…