Agora que você já sabe que tem garantia de estabilidade nas férias, deve estar se perguntando o que fazer se for demitido depois desse período.

Primeiramente, o ideal é tentar entender o motivo do desligamento.

Dependendo dele, você pode tentar argumentar e negociar com seu patrão para que o desligamento não seja feito. Caso isso não seja possível, então você precisa ficar atento aos seus direitos.

Verifique com o empregador se ele vai querer que você cumpra o aviso prévio. Caso ele queira, você terá 30 dias para se programar e tentar arranjar outra oportunidade, enquanto irá trabalhar com jornada reduzida.

Caso o seu patrão queira que você cumpra com esse período, então ele terá que arcar com o chamado aviso prévio indenizatório. Basicamente, ele terá que pagar o valor de um salário correspondente aos dias de trabalho que você não pôde trabalhar.

Além disso, é importante que você tenha em mente que receberá outros valores rescisórios:

13° salário

O valor do 13° salário será pago de maneira proporcional, conforme os meses trabalhados naquele ano. Para saber mais ou menos quanto você irá receber, basta dividir o valor do seu salário em 12, e depois multiplicar pela quantidade de meses trabalhados.

Por exemplo, se você ganha R$ 1.000 por mês e trabalhou 6 meses no ano, receberá o valor de R$ 500 do 13° salário.

Fundo de Garantia

Caso você seja dispensado sem justa causa, terá direito a sacar o fundo de garantia e o empregador terá que pagar uma multa de 40% sobre o valor dele. Mas, esse valor poderá ser negociado.

Caso você tenha qualquer dúvida sobre a estabilidade nas férias ou até mesmo sobre os seus direitos em caso de demissão, não deixe de procurar um especialista em direito trabalhista. Ele poderá te dar todas as orientações necessárias sobre a legalidade da demissão, os valores rescisórios que deverão ser pagos, a forma de pagamento e tudo sobre o desligamento da empresa.