26 DE NOVEMBRO

Com a expectativa do mercado em alta para o dia 26 de novembro, saiba quais são as ferramentas que podem assegurar e respaldar sua compra.

Apesar da recessão e queda no varejo, alguns setores têm superado a crise econômica e tiveram crescimentos exponenciais mesmo durante a pandemia, como é o caso do comércio eletrônico.

Somente no Brasil, este setor teve um crescimento em 68% em comparação com 2019, elevando a participação do e-commerce no faturamento total do varejo, que passou de 5% no final de 2019 para um patamar acima de 10% em alguns meses do ano passado, segundo levantamento da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

Com a Black Friday a expectativa não é diferente: o evento promete movimentar cerca de R$ 110 bilhões este ano no comércio eletrônico no país, segundo uma pesquisa da E-bit/Nielsien.

Diante de tantas promoções empolgantes, a professora Letícia Moraes Silvério, coordenadora do curso de Direito da Faculdade Anhanguera, destaca alguns pontos importantes que os consumidores devem se atentar nas compras online.

Analise a aparência do site

A coordenadora avisa para que os clientes fiquem atentos à página oficial da loja, ao seu visual, logo e marca. Identifique se há muitos erros gramaticais, se as imagens são de boa qualidade e confira o link do domínio (.com ou .org, por exemplo). Tudo isso são indicações de que a loja é de fato a que sugere.

Pesquise a reputação da plataforma

Todo cliente deve procurar por referências antes de realizar uma compra online, explica a docente. “Verifique a reputação das lojas através de pesquisas em sites de reclamações, além de comentários e avaliações de antigos compradores. Esse repertório pode auxiliar na decisão final do comprador”, completa.

Direito a troca e devolução

Mesmo no mundo online, as plataformas de compras digitais seguem a legislação vigente do Código de Defesa do Consumidor (CDC), que garante ao cliente o direito de desistir de uma compra em até sete dias do recebimento, já que a compra é feita à distância e o cliente não consegue ver pessoalmente o produto.

Canal de atendimento

Outro fator decisivo para finalizar a compra é verificar se o site possui canais de atendimento, facilitando a comunicação em caso de problemas. “Certifique-se de que a loja possui um canal de comunicação, o SAC, e uma política transparente de trocas ou devoluções”, finaliza a coordenadora.

Direito à entrega

O CDC também garante que o produto comprado deverá ser entregue, seguindo um prazo estipulado previamente aceito pelo comprador, e caso não seja cumprido, o código prevê a devolução do valor com o frete, um produto equivalente ou se assim escolher, o envio mesmo que atrasado.

Propaganda enganosa é crime

Vale lembrar também que a propaganda enganosa é considerada como ato ilícito e essas ações podem e devem ser enviadas ao Procon, Conar e acionadas judicialmente com base no CDC.

Com informações Faculdade Anhanguera